Certificado digital no agronegócio: quais são os tipos e como utilizar

Imagem de destaque para Blog Post da Assinei sobre uso de certificado digital no agronegócio (Foto: Shutterstock)
O agronegócio é o setor que mais utiliza o certificado digital no Brasil. Leia este artigo e saiba o que é este documento, seus tipos e formas de uso.

O uso do certificado digital tem crescido nos últimos anos em diversos setores.

No agronegócio, o documento ganhou força e em 2017, já era utilizado por 90% das empresas agropecuárias, segundo pesquisa da Associação Nacional de Certificação Digital (ANCD).

Neste artigo, vamos esclarecer todas as suas dúvidas sobre certificado digital e explicar de que forma podemos utilizá-lo no contexto do agronegócio.

Confira a seguir!

O que é certificado digital?

O certificado digital consiste em uma identidade eletrônica de pessoa física ou jurídica, utilizada para assinar documentos com validade jurídica e fazer transações online com segurança.

Na prática, o certificado digital serve para autenticar todo tipo de transação e atividade online com privacidade e agilidade.

Dessa forma, podemos utilizá-lo nas seguintes situações:

  • Assinar e enviar documentos digitais (contratos, recibos, declarações etc);
  • Realizar transações bancárias online;
  • Enviar declarações da empresa aos órgãos do governo;
  • Criar procurações eletrônicas;
  • Enviar declarações de imposto de renda à Receita.

Quando surgiu o certificado digital no Brasil? Como foi o seu crescimento nos últimos anos?

Imagem de destaque para Blog Post Assinei com o tema "Certificado digital: entenda como funciona e quais são os tipos"
O certificado digital está disponível em diversos formatos, inclusive no de token. (Foto: Marcelo Matusiak | PlayPress Assessoria de Imprensa)

O certificado digital surgiu no Brasil em 2001, a partir da criação da ICP–Brasil pela Medida Provisória nº 2.200-2/2001, como uma solução de identidade eletrônica para pessoas físicas e jurídicas.

De acordo com a lei, o sistema de certificação nacional foi criado com o objetivo de garantir a autenticidade, integridade e validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras.

Desde então, as autoridades certificadoras (órgãos responsáveis pela criação e gerenciamento de certificados digitais), podem gerar e comercializar o certificado digital conforme as regras da ICP-Brasil.

Crescimento

Conforme dados do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, em 2021, o Brasil contava com mais de 10 milhões de certificados digitais ativos. No total, 5,2 milhões são de pessoas jurídicas e 4,8 são de pessoas físicas.

A expectativa é que até o final de 2022, existam cerca de 40 milhões de certificados digitais no país. Isso porque apenas em janeiro, foram emitidos 622.032 novos certificados digitais — isto é, 7% a mais que no mesmo período de 2021.

Quais são os tipos de certificado digital?

Os certificados digitais estão disponíveis em diferentes tipos e modelos.

Por isso, é importante ressaltar que podemos classificá-los de duas formas:

  • De acordo com o tipo de usuário;
  • De acordo com o tipo de necessidade — ou seja, quais são as finalidades de uso.

Certificado digital: classificação por tipo de usuário

Em relação aos usuários, podemos citar:

Certificado e-CPF

Versão digital do CPF, permite acessar serviços públicos como o eSocial, e-CAC e Receitanet.

Certificado Digital e-CNPJ

Versão digital do CNPJ, pode ser utilizada para acessar sistemas públicos como e-CAC, Receitanet, emissores de documentos.

Além disso, também possibilita a geração de NF-e (quando o próprio titular for emitir as notas).

Certificado Digital NFC-e

Documento digital, emitido e armazenado eletronicamente, para documentar as operações comerciais de venda presencial ou venda para entrega em domicílio ao consumidor final (pessoa física ou jurídica) em operação interna e sem geração de crédito de ICMS ao adquirente.

No geral, o certificado digital NFC-e substitui o tradicional cupom fiscal, emitido em lojas na maioria dos estados brasileiros.

Certificado Digital e-MEI

Exclusivo para o MEI (Microempreendedor Individual). Permite emitir NF-e e registro de funcionário pelo eSocial.

Certificado digital: classificação por necessidade de usuário

Já em relação às necessidades do usuário, o certificado digital é dividido nas seguintes categorias:

  • Tipo A: mais popular é recomendado para quem precisa assinar documentos e emitir notas fiscais. Pode ser encontrado em dois modelos: o A1 e o A3. Sendo que, o A1 é instalado em um computador enquanto o A3 é armazenado em um dispositivo criptográfico como um token ou smartcard.
  • Tipo S: utiliza a criptografia para garantir sigilo nas transações.
  • Tipo T: conhecida como “carimbo do tempo”, certifica a existência do documento ou assinatura em determinado dia e horário.
  • Certificado Digital em Nuvem (Safe-ID): armazenado em nuvem, pode ser acessado onde e quando quiser.
Banner-CTA-Assinei-Certificado-Digital

De que forma podemos utilizar o certificado digital no setor do agronegócio?

De acordo com estudo realizado pela Associação Nacional de Certificação Digital (ANCD), o agronegócio é o setor que mais utiliza o certificado digital no Brasil.

Isso significa que 90% das empresas agropecuárias utilizam a ferramenta, alcançando a primeira colocação no ranking da pesquisa.

Assim, a classificação segue a seguinte ordem:

  • Agropecuária. com 90%;
  • Indústria, com 78%;
  • Serviços, com 64%;
  • Comércio, com 47%.

Vale ressaltar que o alto número de adesão do agronegócio está associado às entregas das obrigações acessórias ao governo e aos benefícios fornecidos às empresas, como a redução de custos, eficiência operacional e sustentabilidade.

Sendo assim, o certificado digital costuma ser utilizado por produtores rurais, lojas agropecuárias, distribuidores de insumos, dentre outros, para realizar a assinatura digital nos seguintes documentos:

  • Duplicata;
  • Cédula de Produto Rural (CPR);
  • Receituário Agronômico;
  • Contrato de Barter;
  • Pedido de venda;
  • Contrato de compra e venda de grãos;
  • Contrato de armazenagem de grãos.

Vamos a ver seguir sobre cada um desses documentos!

Duplicata

A duplicata é um título de crédito emitido a partir da comercialização de uma mercadoria ou serviço em vendas a prazo. Por meio dele, é possível realizar o vínculo entre um saque e um crédito decorrente de contrato de compra e venda ou prestação de serviço.

As duplicatas eletrônicas são aceitas de forma expressa pela Lei nº 13.775/2018. Portanto, podem ser assinadas de forma digital, com o uso do certificado digital, desde que seja possível garantir a autenticidade e integridade do documento.

Cédula de Produto Rural (CPR)

A Cédula de Produto Rural (CPR) é um título de crédito que representa uma promessa de entrega futura de um produto agropecuário.

A Lei nº. 13.986/2020, resultado da sanção da Medida Provisória nº 897/2019 (a MP do Agro), trouxe diversas inovações às leis aplicáveis ao financiamento do agronegócio.

Em seu artigo 42, a lei altera diversos dispositivos da Lei nº. 8.929/1999 (Lei da CPR), estabelecendo algumas inovações. Entre elas, está a possibilidade de “utilização das formas previstas na legislação específica quanto à assinatura em documentos eletrônicos”.

Sendo assim, a CPR pode ser assinada de forma digital, mediante uso de certificado digital, ou de forma eletrônica, utilizando outros métodos para comprovar a validade jurídica.

CTAs-Blog-Assinei-CPR-1

Receituário agronômico

O receituário agronômico é o documento com a prescrição de uso de um defensivo agrícola. Nele, há informações técnicas para que o profissional realiza a aplicação do agrotóxico de forma correta na lavoura.

Em alguns estados brasileiros, já é possível emitir e assinar o documento com assinatura digital. Você pode conferir quais são eles em nosso artigo sobre receita agronômica.

Contrato de Barter

Assim como os demais documentos, o contrato de Barter também pode ser formalizado com assinatura digital.

Inclusive, nesse caso, o documento levará menos tempo para ser finalizado — geralmente, a formalização do contrato demora, em média, 90 dias.

Pedido de venda

O pedido de venda é o documento pelo qual a empresa gerencia o que foi vendido e precisa ser faturado e entregue. Dessa forma, é possível ter uma visão mais clara de todo o processo.

Assim como os outros documentos que mencionamos, também é possível assinar o documento com o certificado digital.

Você consegue ainda mais praticidade neste processo caso utilize ou integre o sistema da sua empresa com uma plataforma de assinatura eletrônica como a Assinei.

A Assinei possui integração com o ERP Siagri Agribusiness, voltado para distribuidores de insumos, lojas agropecuárias, armazéns gerais e agroindústrias.

Contrato de compra e venda de grãos

O contrato de compra e venda de grãos é basicamente um documento no qual as partes ajustam preços, condições de pagamento, entrega, qualidade e conformidade do produto.

Este documento também pode ser assinado digitalmente utilizando o certificado digital.

Contrato de armazenagem de grãos

Por fim, o contrato de armazenagem de grãos também é outro documento que pode ser assinado digitalmente.

Na prática, esse é o contrato em que as partes ajustam o prazo de armazenagem, o preço e a forma de remuneração pelos serviços prestados, os direitos e obrigações do depositante e do depositário, a capacidade de expedição e a compensação financeira por diferença de qualidade e quantidade.

Além desses contratos, outros possíveis usos do certificado digital no contexto do agronegócio são:

  • Emissão de Notas Fiscais Eletrônicas;
  • Emissão de Guia de Transporte Animal;
  • Declaração de Imposto de Renda sobre Propriedade Territorial;
  • Assinatura digital de recibos e procurações;
  • Acesso de portais eletrônicos, como e-Social.
Banner CTA para download gratuito do e-book da Assinei "Contratos e documentos do agro: principais dúvidas sobre assinaturas eletrônicas"

Quais tipos de certificados digitais podemos utilizar no agronegócio?

Assim como em outros setores, podemos utilizar diferentes tipos de certificado digital no ramo do agronegócio.

Na prática, o que vai influenciar na escolha será o tipo de usuário e o que melhor se aplica a sua realidade e necessidade.

Na Assinei, startup com soluções de assinatura eletrônica e certificado digital voltadas para o agronegócio, você encontra os seguintes tipos de certificados:

  • e-CNPJ: o certificado digital para pessoa jurídica do tipo A1, que pode ser utilizado em mais de um computador.
  • e- CPF: o certificado digital para pessoa física tipo A1, utilizado em mais de um computador.
  • Safe ID: o certificado digital armazenado em nuvem para pessoa física tipo A3, que pode ser acessado por qualquer aparelho e em qualquer momento.

Conclusão

Como vimos, o certificado digital é a identidade eletrônica da pessoa física ou jurídica. No setor do agronegócio, ele se tornou uma exigência, em alguns casos, devido às obrigações legais do governo.

O uso do certificado digital traz diversos benefícios para as empresas, em especial por garantir mais agilidade nos processos e negociações e, consequentemente, facilitar o trabalho de profissionais do campo, distribuidoras de insumos e lojas agropecuárias.

Então, que tal ganhar mais praticidade no seu dia a dia?

Adquira o seu certificado digital pela Assinei clicando neste link ou no banner abaixo.

Banner-CTA-Assinei-Certificado-Digital

Gostou desse conteúdo? Aproveite e leia nosso artigo sobre como utilizar o certificado digital na Declaração de Imposto de Renda.

Assinei | Assinaturas Digitais e Eletrônicas | Uma Solução Aliare